Nos siga nas redes sociais

Um Milhão De Maneiras De Pegar Na Pistola – Crítica

Uma sátira fantástica do velho oeste estreado em 2014, com varias referencias ao século XXI, piadas infames, e uma história tanto hilária quanto bizarra. Diferente de seus semelhantes o filme não tenta entregar uma aventura no Oeste, mas sim descredibilizar este período.

Vamos comentar que o título original é “A million ways to die in the west” que poderia ser facilmente traduzido para “1 milhão de maneiras de morrer no velho oeste”, mas como tradução de títulos no Brasil é  feita para escrachar tudo, eles resolveram inventar palavras no título para dar o tom engraçado do filme, que ficou “Um milhão de maneiras de pegar na pistola”, dando um duplo sentido.

O Filme nada mais é do que uma piada em respeito ao velho oeste. Diferente dos filmes do gênero, a ideia não é apenas mostrar a vida lá com uma história de aventura e comédia, simplesmente tudo ali é uma piada. Inúmeras coisas que antes vista de forma normal é levada a toda de forma bizarra ( exemplo disso é uma cena no bordel, ao invés de musica ao fundo se escuta som de gemidos). Trazendo a tona a barbárie que a época era mas de forma cômica.

O enredo gira em torno de Albert, um jovem pastor de ovelhas que se encanta pela mulher errada, Anna.

Errada pelo fato de que ela era esposa de um grande bandido, fazendo assim com que a vida de Albert não só mudasse completamente como também a ferrasse com ela. Albert não sabe pegar numa pistola, não é corajoso e muito menos capaz de defender sua honra e lutar por sua amada, mas como nós sabemos o amor fala mais alto e Albert se esforça ao máximo para poder viver com sua amada. Porém como o filme tem o intuito de ser zoado, nada do que acontece é convencional.

charlize theron albert and anna GIF

 Tem muitas piadas escrachadas envolvendo cocô e peido e que definitivamente acontecem de vez em quando sem avisar, dentre outras piadas simples mas que podem agradar muita gente.

Resumindo é um bom filme para assistir com os amigos ou até mesmo sozinho, para dar aquele espairecida e rir um pouco, vale o tempo investido e dá uma visão interessante deste período da humanidade em um tom total de comédia e por isso não deve ser levado a sério. Piadas simples mas bem encaixadas pra quem não tá afim de resolver enigmas de roteiro e só quer algo rápido e divertido.

 

Elenco

Nos ajude a espalhar o descontrole!

podcast

#6 – Entrevista com Vem Noobar Comigo

É isso mesmo! Nossos casters de elite estão aqui para conversar com a dona do canal Vem Noobar Comigo, falando sobre seu canal no YouTube, seus passos como desenvolvedora e muito mais!

Esse episódio, foi realmente fora da curva, onde foram vistos vários pontos de qual foi a experiência da Viih no mundo dos games, e ainda dando dicas de como manter um canal no YouTube, quais foram seus jogos e sua caminhada na criação de conteúdos.

Acesse o canal da Viih no YouTube clicando aqui

Quer apoiar a Viih? Acesse o PicPay dela clicando aqui

Canal da Viih na Twitch acesse aqui

Nos ajude a espalhar o descontrole!
Continue Lendo

Parceiros

Nos ajude a espalhar o descontrole!
Continue Lendo

podcast

#5 Apelido pra mais de metro

Neste episódio, estamos passando os limites razoáveis, e nossos casters de elite estão dividindo com vocês, quais eram os apelidos que eles recebiam, e inventavam para seus arquirrivais, e todos nós sabemos, como pré-adolescentes podiam ser nefastos, na arte de insultar, e claro, que muitos desses apelidos alguns levam pra toda vida, como cabeção da malhação que foi inspiração para muitos cabeções por esse “brasilzão” a fora.

Muitos dizem, que antigamente era a melhor época para se crescer. Muitos homens e mulheres foram formados, na pressão do bullying, ou no carinho amigável de apelidos, que poderiam ser usados para ressaltar uma característica sua positiva, ou muitas vezes, negativa. Quem nunca foi chamado de tampinha, ou para os mais altos, como “boneco de olinda”. Se tivesse um nariz um pouco mais avantajado, ja era chamado de pinóquio, ou era acusado de roubar todo oxigênio da sala.

Gostaria de deixar claro que nomes, idades e qualquer informação foram alteradas, e este episódio não é pra ser levado a sério, apenas um podcast sobre apelidos, e experiências com fim de comédia.

Caso tenha se sentido ofendido por qualquer palavra dita, pau no seu … ops, aháá te peguei, ainda ta lendo isso? É sério? Tá, você ganhou, você realmente é um leitor de primeira, mas vê se volta logo a ouvir o episódio, e se quiser dar uma opinião, e xingar muito no twitter, é só nos marcar no @castsemcontrole . Nosso facebook é @semcontrolecast

Quem diria que falar sobre apelidos renderia tantos minutos assim? Realmente essa galera precisa de terapia.

Nos ajude a espalhar o descontrole!
Continue Lendo

Em Alta

Todos os Direitos Reservados © 2021 SemControleCast